Voc√™ sabia? Nossos antepassados passaram por uma evolu√ß√£o para fazer uma comida saborosa, segura, de f√°cil digest√£o e saud√°vel. Produziram, moeram, ensoparam, filtraram, coaram, coalharam, fermentaram e cozinharam plantas e animais que existiam na natureza. Fizeram as frutas ficarem mais doces e os legumes menos amargos. Foi depois da descoberta do fogo, com o cozimento dos alimentos que o c√©rebro dos seres humanos aumentou de tamanho. Com o tempo aprenderam a construir celeiros, desidratar suas carnes e frutas, salgar e defumar seus peixes, coalhar e fermentar seus produtos l√°cteos, atrav√©s de conservantes como a√ß√ļcar, sal, vinagre e desinfetantes como hipoclorito de cloro para fazer alimentos comest√≠veis.

Com o avanço das tecnologias os seres humanos desenvolveram técnicas para conservar e processar os alimentos. Nos dias atuais é possível escolher quando se vai comer um alimento processado, ultraprocessado ou em natura. A dica é levar um dieta balanceada. Quer saber mais? Assista ao vídeo da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (Sban) abaixo:

 


Nesta entrevista ao programa Pergunte ao Doutor, o Médico Diretor da Clínica Mova, Dr Leandro Avany Nunes, fala sobre cirurgia bariátrica, tratamento da obesidade e o trabalho que a clínica realiza. Também fala do trabalho do grupo interdisciplinar e demais procedimentos que a Mova.

Confira no link a entrevista completa.

https://youtu.be/aencDkQbUTk


Dr Leandro Avany Nunes fala ao apresentador mano Dal Ponte sobre obesidade e seu tratamento. Caracter√≠sticas desta doen√ßa que atinge milh√Ķes de pessoas no Brasil e no Mundo.

Confere a íntegra no vídeo https://www.youtube.com/watch?v=zOulm_Pvy6c


A Cl√≠nica Mova promove nesta quarta-feira, dia 3 de junho, mais uma live do grupo interdisciplinar de cirurgia bari√°trica. O bate papo com a nutricionista Michele Biff e a psicanalista Ana Paula Gramacho ter√° como tema ‚ÄúO sucesso do p√≥s-operat√≥rio depende do seu pr√©-operat√≥rio‚ÄĚ.

A live terá início às 19h30, no Instagram da Clínica Mova: @clinicamova.


Ap√≥s o diagn√≥stico de doen√ßas que atacam a ves√≠cula biliar como a lit√≠ase, caracterizada pela forma√ß√£o de cristais de colesterol, c√°lcio ou ambos, no interior da ves√≠cula, a retirada cir√ļrgica do √≥rg√£o ainda gera muito receio por parte dos pacientes, principalmente pelo tempo de recupera√ß√£o e quanto ao surgimento de cicatrizes na regi√£o do abdome. Por√©m, os pacientes¬† j√° podem ser operados nesta regi√£o tamb√©m com a videocirurgia, tornando o procedimento mais seguro e menos doloroso.

De acordo com o cirurgi√£o Leandro Avany Nunes, a utiliza√ß√£o da t√©cnica de videocirurgia, tornou o procedimento ainda mais seguro e gerando apenas pequenas incis√Ķes de 0,5 cm. Al√©m disso, a dor operat√≥ria √© menor e o tempo de recupera√ß√£o tr√™s vezes mais r√°pido. ‚ÄúEntre 10 a 15 dias, no m√°ximo, o paciente pode retomar suas atividades normalmente‚ÄĚ, explica o Dr Leandro Nunes, diretor da Cl√≠nica Mova.

Além de doenças como a litíase, cálculos que podem obstruir o canal cístico, provocando forte contração da parede muscular, outras doenças também como a colecistite podem gerar fortes dores no paciente. A colecistite aguda é, geralmente, consequência da litíase. Quando o cálculo permanece no canal cístico, a bile não consegue passar, ficando represada e provocando a irritação da parede da vesícula. O ambiente fica propício ao crescimento de bactérias, desencadeando uma infecção no local. A colecistite sem presença de cálculos é denominada colecistite aguda alitiásica.

Embora de baixa incid√™ncia, a ves√≠cula biliar tamb√©m est√° sujeita √† ocorr√™ncia de c√Ęncer. A maioria relacionada √† presen√ßa de c√°lculos biliares, existentes h√° anos no organismo do paciente.

O que é e como funciona

A ves√≠cula ou bexiga biliar √© uma esp√©cie de reservat√≥rio da bile (fluido produzido pelo f√≠gado e que atua na digest√£o, especialmente de gorduras). Sua estrutura alongada, em formato de p√™ra, fica situada na face inferior do f√≠gado (do lado direito). Formada por parede muscular e mucosa, a ves√≠cula biliar √© respons√°vel por receber a bile, absorvendo parte da √°gua dela e enviando a subst√Ęncia concentrada para o intestino delgado, onde ajudar√° no processo de digest√£o. A bile passa por canais como os ductos hep√°tico e c√≠stico, neste trajeto at√© o intestino.

A produ√ß√£o da bile no f√≠gado √© constante, sendo os canais biliares respons√°veis por acumular a subst√Ęncia nos intervalos das refei√ß√Ķes. Uma estrutura muscular denominada de esf√≠ncter de Oddi regula o envio da bile para a ves√≠cula biliar e para o intestino. Quando o organismo n√£o est√° recebendo alimenta√ß√£o, o esf√≠ncter fica fechado, contribuindo para que haja press√£o dentro dos canais biliares e para que a bile seja levada at√© a ves√≠cula biliar, ficando ali armazenada. Ap√≥s as refei√ß√Ķes, com a chegada do alimento ao duodeno, o esf√≠ncter de Oddi se abre, a ves√≠cula se contrai e¬†provoca a perda de bile no intestino.

 

 


Para agilizar o atendimento ao cliente a Unimed lança a Tele Medicina.⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Você que reside em locais mais distantes, não precisa sair de casa para ser atendido por um médico.⠀⠀⠀⠀
Um profissional de plantão vai auxiliar você sobre os sintomas da Covid-19.⠀⠀⠀
De Segunda a Sexta das 10 às 22 horas.⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Chamada de vídeo por WhatsApp pelo fone 99633 0149.⠀⠀⠀
Sem custo algum.⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Tele Medicina Unimed.⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A solu√ß√£o a dist√Ęncia em assist√™ncia a sa√ļde.

 


A Cl√≠nica Mova promoveu na noite de ter√ßa-feira, dia 29, a primeira LIVE do Grupo Multidisciplinar de Cirurgia Bari√°trica. Com o tema ‚ÄėOs desafios da quarentena: Como nutrir o corpo e a mente de forma saud√°vel‚Äô, o m√©dico cirurgi√£o, Dr. Leandro Avany Nunes, a nutricionista, Michele Biff, e a psicanalista, Ana Paula Gramachoi interagiram com os participantes sobre o assunto e solucionaram d√ļvidas durante o bate papo.

Os interessados em acompanhar a LIVE podem acessar diretamente do Facebook da Clínica Mova: https://www.facebook.com/clinicamova/videos/5222984371053030/


As restri√ß√Ķes ao conv√≠vio social impostas pelo risco de cont√°gio pelo Covid-19 tem gerado s√©rias distor√ß√Ķes na rotina das pessoas. Uma das mais preocupantes e mais presentes diz respeito a m√° alimenta√ß√£o e redu√ß√£o significativa da atividade f√≠sica di√°ria.

Em contrapartida nos supermercados os alimentos super processados s√£o os que mais t√™m tido procura. Muitas destas comidas s√£o chamados de ‚Äúalimentos de conforto‚ÄĚ, como batatas fritas, salgadinhos, mix de panquecas e biscoitos, refrigerantes, entre outras tantas coisas que consumimos para nos sentir menos ansiosos e por vezes mais f√°ceis de consumir. Infelizmente, quando estamos abrigados em casa, evitar o desejo de fazer frequentes visitas √† cozinha durante o dia para comer esses alimentos √© uma tarefa quase imposs√≠vel.

No entanto, o conselho de nutricionistas e especialistas em sa√ļde √©: como n√£o sabemos quando a rotina vai voltar ao normal, evite ao m√°ximo que voc√™ e seus familiares consumam alimentos que contenham os chamados “carboidratos r√°pidos”, como gr√£os refinados, amidos, milho e a√ß√ļcar, contidos nos p√£es, cereais matinais, sucos e quaisquer outros alimentos feitos com farinha processada. Por serem altamente processados e desprovidos de fibras s√£o rapidamente absorvidos e convertidos em glicose no organismo, causando picos de a√ß√ļcar no sangue e insulina e impedindo a libera√ß√£o de horm√īnios que saciam a fome. Ao longo do tempo esse padr√£o de comer pode causar estragos na sa√ļde metab√≥lica, levando ao ganho de peso e aumentando o risco de diabetes tipo 2 e doen√ßas cardiovasculares, condi√ß√Ķes que podem aumentar o risco de complica√ß√Ķes em uma eventual contamina√ß√£o pelo Covid-19.

A obesidade e as doen√ßas metab√≥licas s√£o condi√ß√Ķes complexas, impulsionadas por uma variedade de fatores, incluindo gen√©tica, meio ambiente, dieta e estilo de vida. Portanto √© muito importante tratar a obesidade, independente do n√≠vel em que ela esteja. Seja atrav√©s de um psic√≥logo, nutricionista ou casos mais graves, com cirurgia, √© muito importante a busca por tratamentos¬†especializados”, salienta o Diretor da Cl√≠nica Mova, Dr Leandro Avany Nunes.

√Ȭ†certo que para combater esse problema √© fundamental uma mudan√ßa dos h√°bitos alimentares, como¬†evitar os carboidratos ultra processados. A maioria dos gr√£os usados em alimentos como cereais matinais, salgadinhos de milho e bolachas √© mo√≠da por rolos de a√ßo de alta velocidade. Em seguida, eles s√£o pulverizados ainda mais atrav√©s de uma variedade de t√©cnicas de alta press√£o. Um deles √© o cozimento por extrus√£o, um processo t√©rmico e mec√Ęnico que altera drasticamente as estruturas qu√≠micas dos gr√£os, quebrando suas longas cadeias de glicose em mol√©culas menores de amido que podem ser rapidamente digeridas. As propriedades f√≠sicas da mol√©cula de amido original n√£o s√£o mais as mesmas e a estrutura dos gr√Ęnulos foi destru√≠da, as cadeias de pol√≠meros de glicose foram reduzidas em tamanho e sua √°rea de superf√≠cie expandida, o que aumenta a rapidez com que absorvemos esses alimentos do trato digestivo para a corrente sangu√≠nea.

Nossos intestinos têm a capacidade de extrair gradualmente glicose de amidos relativamente intactos à medida que eles se movem por nossos sistemas. Mas, no caso dos alimentos ultra processados, praticamente todo o amido acaba sendo absorvido pelo organismo, tendo como consequência direta o quadro de obesidade.

Por outro lado, os carboidratos lentos, como br√≥colis, feij√£o e arroz integral, liberam glicose lentamente √† medida que viajam por nossos sistemas, atingindo as partes mais baixas do trato gastrointestinal. L√° eles desencadeiam um horm√īnio chamado GLP-1, que informa ao nosso corpo que estamos sendo alimentados, resultando em sentimentos de saciedade.

Para tentar equilibrar essa equa√ß√£o, a dica √© limitar os carboidratos r√°pidos e priorize carboidratos lentos, como feij√£o, legumes, gr√£os integrais, nozes, frutas e legumes. Invista em pratos com vegetais e fa√ßa exerc√≠cios di√°rios para ajudar a controlar seu peso e melhorar sua sa√ļde metab√≥lica geral. A Cl√≠nica Mova √© especializada em medicina da obesidade, com profissionais especializados para orientar e atender nos casos de d√ļvidas e tratamentos. “A equipe multidisciplinar na Cl√≠nica Mova est√° preparada para o tratamento da obesidade, atrav√©s de tratamentos psicol√≥gicos, nutricionais, cl√≠nicos e cir√ļrgicos. Todos os meses reunimos os pacientes para discuss√Ķes sobre procedimentos como a cirurgia bari√°trica, onde todas as informa√ß√Ķes e d√ļvidas s√£o discutidas”, observa do Dr Leandro Avany Nunes.


No dia Mundial de Combate a Obesidade √© importante ressaltar a import√Ęncia do tratamento para os jovens

 

Tete Spillere, fala sobre seu tratamento em busca de mais sa√ļde qualidade de vida

O ganho de peso na inf√Ęncia e adolesc√™ncia √© uma realidade que preocupa pais, m√£es e profissionais de sa√ļde. Para muitos jovens esse quadro acaba se tornando extremamente desconfort√°vel do ponto de vista da sa√ļde f√≠sica, psicol√≥gica e social. Enquanto algumas crian√ßas e adolescentes conseguem reverter o quadro com o apoio da atividade f√≠sica e reeduca√ß√£o alimentar, para muitos outros o grau de dificuldade para perder peso √© enorme, muitas vezes insuper√°vel.

A conseq√ľ√™ncia direta √© que cada vez mais jovens acabam tendo complica√ß√Ķes de sa√ļde devido a esse quadro, como diabetes, press√£o alta, doen√ßas card√≠acas, entre outras. S√£o essas situa√ß√Ķes onde hoje est√° indicada a cirurgia bari√°trica. ‚ÄúAtualmente pacientes a partir de 16 anos, com notada dificuldade de perda de peso e com quadro de doen√ßas associadas t√™m a indica√ß√£o da cirurgia‚ÄĚ, explica o cirurgi√£o, Leandro Avany Nunes, diretor da Cl√≠nica Mova, em Crici√ļma. O m√©dico observa que o paciente precisa estar enquadrado em diversos crit√©rios, como √≠ndice de massa corporal (IMC) superior a 35 e a exist√™ncia doen√ßas associadas √† obesidade.

Foram exatamente os problemas de sa√ļde que j√° apareciam nos exames, que motivaram a estudante de Direito, Maria Tereza Spillere Simon, a Tete, a fazer a cirurgia de redu√ß√£o do est√īmago. Aos 21 anos ela viu seus exames m√©dicos apresentarem um quadro de pr√©-diabetes, gordura no f√≠gado e outras altera√ß√Ķes que amea√ßavam a sua sa√ļde. Tete, hoje com 23 anos, conta que ganhou peso ainda crian√ßa e ao longo da adolesc√™ncia sempre conviveu bem com o seu corpo. ‚ÄúDesde crian√ßa, quando comecei a ficar gordinha, a minha m√£e sempre me falou ‚Äėnunca deixe que te digam NADA. Voc√™ √© linda demais e as pessoas t√™m que te amar do jeito que voc√™ √©‚ÄĚ, contou Tet√™ na sua rede social ao completar um ano e quatro meses da realiza√ß√£o da cirurgia bari√°trica, que lhe garantiu mais sa√ļde e qualidade de vida.

Ela conta que recebeu toda a orienta√ß√£o necess√°ria do cirurgi√£o Leandro Avany Nunes e da equipe multidisciplinar da Cl√≠nica Mova, esclarecendo d√ļvidas e inseguran√ßas quanto ao procedimento. ‚ÄúEu cheguei √† conclus√£o de que precisava emagrecer bastante de alguma forma. A consulta como Doutor Leandro foi muito esclarecedora sobre as d√ļvidas e tabus que eu ainda tinha sobre a cirurgia. Sa√≠ do consult√≥rio totalmente decidida e disposta a operar. Tive um suporte da cl√≠nica cem por cento, desde o pr√© at√© o p√≥s operat√≥rio, essenciais no tratamento‚ÄĚ, recorda. E as boas not√≠cias se seguiram ap√≥s o procedimento, pois al√©m da perda de peso, Maria Tereza constatou que seus exames voltaram aos padr√Ķes. Ap√≥s perder 48 quilos ela revela que est√° saud√°vel, dentro do peso ideal, onde superou desafios, que fazem parte do tratamento, como a perda de cabelo. Para tanto a orienta√ß√£o da equipe da Cl√≠nica Mova √© fazer todos os procedimentos nutricionais indicados na dieta p√≥s-operat√≥ria. ‚ÄúExige muito do psicol√≥gico e esfor√ßo. Uma recupera√ß√£o com muitos cuidados mas, que no fim, tudo vale a pena. Deus me aben√ßoou grandemente e sempre me ajudou a ter discernimento e sabedoria, fazendo com que eu tomasse as decis√Ķes da minha vida com precis√£o e certeza, sem medo do que iriam pensar ou falar (antes e depois da cirurgia)‚ÄĚ, recorda a estudante, que mant√©m um canal no youtube e onde conta tamb√©m sobre a sua cirurgia e a perda de peso.
Para jovens como Maria Tereza, a orientação é sempre buscar o apoio médico especializado em medicina da obesidade. Ao lado de uma equipe multidisciplinar, o paciente vai estar orientado sobre os tratamentos disponíveis e a necessidade ou não de realização de cirurgia bariátrica.

Dia Mundial agora em mar√ßo –¬†A Federa√ß√£o Internacional da Obesidade mudou a data do Dia Mundial da Obesidade, que era 11 de outubro, para 4 de mar√ßo, a partir de 2020. A obesidade n√£o √© uma quest√£o de estilo de vida: trata-se de uma doen√ßa cr√īnica, recidivante e multifatorial.
Ana Sofia Schuster РAgência Novo Texto

Uma extensa mat√©ria publicada no Jornal The New York Times traz informa√ß√Ķes sobre os riscos do a√ß√ļcar adicionado para a sa√ļde. A reportagem faz uma alerta sobre a quantidade de a√ß√ļcar que ingerimos atrav√©s dos alimentos processados e que, muitas vezes, acabam n√£o sendo considerados na nossa dieta.

A mat√©ria revela que ‚ÄúEmbora voc√™ pense que n√£o est√° comendo muito a√ß√ļcar, √© prov√°vel que esteja comendo muito mais do que imagina. O a√ß√ļcar adicionado espreita em quase 70% dos alimentos embalados e √© encontrado em p√£es, alimentos saud√°veis, lanches, iogurtes, na maioria dos alimentos e molhos para o caf√© da manh√£. O americano m√©dio come cerca de 17 colheres de ch√° de a√ß√ļcar adicionado por dia (sem contar os a√ß√ļcares que ocorrem naturalmente em alimentos como frutas ou latic√≠nios). Isso representa o dobro do limite recomendado para homens (nove colheres de ch√°) e o triplo do limite para mulheres (seis colheres de ch√°). Para as crian√ßas, o limite deve ser de cerca de tr√™s colheres de ch√° de a√ß√ļcar adicionado e n√£o mais de seis, dependendo da idade e das necessidades cal√≥ricas‚ÄĚ.¬†

Na mat√©ria assinada escritora especialista na √°rea de sa√ļde, Tara Parker-Pope, ela destaca que o grande problema do consumo deste tipo de a√ß√ļcar n√£o est√° somente relacionado √† obesidade, mas √° sa√ļde metab√≥lica, estando relacionado √° doen√ßas card√≠acas, diabetes tipo 2, c√Ęncer, derrame e at√© doen√ßa de Alzheimer.¬†

Ent√£o, fica a dia para 2020: tente ficar longe dos produtos onde o a√ß√ļcar adicionado est√° presente e foque onde no a√ß√ļcar natural como nas frutas inteiras, que cont√™m fibras, o que diminui a absor√ß√£o de frutose.¬†Os a√ß√ļcares entram na corrente sangu√≠nea mais lentamente, para que o f√≠gado tenha mais tempo para metaboliz√°-los. As frutas inteiras tamb√©m levam mais tempo para serem processados, o que desencadeia a libera√ß√£o de horm√īnios de saciedade que nos fazem sentir cheios.¬† A lenta jornada das fibras, frutose e nutrientes das frutas inteiras permite essencialmente que o corpo alimente as bact√©rias saud√°veis do intestino, apoiando a sa√ļde do microbioma.


Pr√≥xima p√°gina »

desenvolvido por Cacto Publicidade
Rua Estevão Emílio de Souza, 108 (em frente ao Hospital Unimed) :: Próspera :: Criciúma/SC :: Tel. (48) 3439.4096