A Cl√≠nica Mova realizou esta semana mais um encontro do grupo de acompanhamento Multiprofissional aos pacientes pr√© e p√≥s-operados. Na reuni√£o, realizada todos os meses, foram discutidos os cuidados necess√°rios antes e ap√≥s o procedimento cir√ļrgico.
Em sua palestra o m√©dico Marcos Maffioletti, da equipe da Cl√≠nica Mova, destacou aspectos da alimenta√ß√£o e a import√Ęncia do acompanhamento multiprofissional aos pacientes principalmente nos p√≥s-operat√≥rio. Neste contexto a equipe¬†de orienta√ß√£o nutricional e psicol√≥gica, m√©dica e do profissional de educa√ß√£o f√≠sica s√£o fundamentais uma vez que o paciente necessita de toda a aten√ß√£o e cuidado. Essa equipe realiza o trabalho de orienta√ß√£o e acompanhamento dos pacientes, que passam por mudan√ßas importantes ap√≥s o procedimento. ‚ÄúTodos esses cuidados garantem a adequa√ß√£o de nutrientes e calorias, preservam massa magra, minimizam problemas como o refluxo, Dumping, al√©m de readequar o organismo a sua nova realidade ap√≥s a grande perda de peso‚ÄĚ, observa o Dr Marcos Maffioletti.
Durante o encontro o Diretor da Cl√≠nica Mova, Dr Leandro Avany Nunes, tamb√©m refor√ßou a import√Ęncia deste acompanhamento profissional e tamb√©m da oportunidade de troca de experi√™ncias e esclarecimento de d√ļvidas nas reuni√Ķes de grupo. A nutricionista Michelle Biff salientou aos pacientes a necessidade de cumprimento rigoroso das dietas prescritas e da mudan√ßa de h√°bitos ap√≥s a cirurgia, especialmente na fase da dieta l√≠quida e dieta pastosa, prescritas logo ap√≥s a cirurgia.
Como √ļltimo conselho, √© muito importante que em qualquer situa√ß√£o o paciente retorne a Cl√≠nica Mova, pois temos toda a estrutura necess√°ria para atend√™-lo. √Č muito importante a proximidade do paciente com equipe multidisciplinar para um acompanhamento sadio e duradouro.


Nas consulttas com a equipe multidisciplinar liderada pelo Dr Leadro Avany Nunes e nos encontros em grupo uma realidade é sempre ressaltada: o tratamento para o paciente bariátrico não se resume a cirurgia. Entre o pré e o pós-operatório há muito o que fazer e trabalhar. Os objetivos a serem alcançados são conquistados passo a passo, sempre com força de vontade e apoio da equipe profissional, onde estão incluídos médico cirurgião, o médico endocrinologista, o nutricionista, o psicólogo, o profissional de educação fisica, entre outros.

Neste artigo publicado pela equipe da Obesity Help é possível conferir dicas preciosas para o sucesso do tratamento. Confira:

1 ‚Äď Erros ir√£o acontecer: lembre-se de que voc√™ √© um ser humano. Voc√™ ir√° cometer enganos e talvez possa precisar de ajuda, mas erros s√£o corrig√≠veis se voc√™ perceb√™-los e se manter no caminho correto.

2 ‚Äď Contratempos e pausas no progresso n√£o s√£o fracassos, a n√£o ser que voc√™ desista: foque no futuro quando a evolu√ß√£o do tratamento n√£o estiver acontecendo, for lenta ou quando voc√™ experimentar um rev√©s. Mantenha-se firme no seu objetivo, converse com sua equipe multidisciplinar, e se preciso, repense sua estrat√©gia. Voc√™ achar√° um caminho!

3 ‚Äď Relaxe: o nervosismo e a ansiedade n√£o ajudam ningu√©m, al√©m de distra√≠rem e desencorajarem. Tente respirar profundamente, contando at√© quatro, enquanto relaxa os m√ļsculos abdominais. Solte o ar contando at√© quatro novamente. Isso ir√° promover um relaxamento. Outra op√ß√£o √© imaginar seu lugar favorito, como a praia, da maneira mais realista poss√≠vel.

4 ‚Äď Se cuide: durma bem e fa√ßa exerc√≠cios f√≠sicos, respeitando sempre sua condi√ß√£o m√©dica e com aux√≠lio de um profissional. Continue a se socializar e minimize o m√°ximo o consumo de cafe√≠na. Dedique um tempo a voc√™ mesmo. Isso ajudar√° a manter a anima√ß√£o para perseguir seus objetivos.

5 ‚Äď Tenha senso de humor: observe os aspectos curiosos e engra√ßados do que voc√™ est√° fazendo ou dos erros que cometeu. Use o exemplo de apresentadores de talk show: quando fazem uma piada sem gra√ßa √© comum que eles fa√ßam outra, em seguida, a respeito do erro. Tente adaptar isso a sua realidade!

6 ‚Äď Tenha um plano concreto e realista de a√ß√Ķes: estar motivado √© um √≥timo come√ßo, mas ela n√£o vai durar se voc√™ n√£o aproveit√°-la. Divida sua estrat√©gia em pequenos planos com objetivos de curto prazo, assim voc√™ poder√° perceber melhor seus avan√ßos e sentir menos press√£o ou angustia.

7 ‚Äď Celebre as conquistas ao inv√©s de exaltar as derrotas: √© muito prov√°vel que voc√™ se dedique mais a fazer ou cumprir algo quando elogiam seu esfor√ßo e resultado do que quando falam sobre algo que voc√™ n√£o fez. Tente essa abordagem nas consigo mesmo, naquelas ‚Äúconversas internas‚ÄĚ sobre como o tratamento est√° indo.

8 ‚Äď Recompense objetivos cumpridos: que tal ganhar um banho de espuma, um passeio diferente, um livro novo ou ent√£o algo que seja importante para voc√™ sempre que uma meta for atingida? Escolha pr√™mios que n√£o sejam algo que voc√™ faria ou ganharia independentemente de cumprir o objetivo ou n√£o: deve ser diferente, significativo e proporcional a import√Ęncia do objetivo cumprido.

9 ‚Äď Tenha um confidente: converse sobre suas frustra√ß√Ķes, dificuldades e desafios com um amigo, um psic√≥logo ou algu√©m de sua confian√ßa. O importante √© ser um bom ouvinte e ter disposi√ß√£o para ajud√°-lo a encontrar uma solu√ß√£o apropriada para voc√™. Ter um amigo confidente o ajudar√° a externar seus pensamentos e poder√° te ajudar a manter uma vis√£o positiva a respeito do tratamento

10 ‚Äď Livre-se do negativismo e pensamentos extremistas: em tempos de mudan√ßas ou frustra√ß√£o √© f√°cil ter id√©ias que te puxam para baixo. Quando elas surgirem, questione-se e tente encontrar pontos de vista positivos. Tenha uma atitude realista, positiva e mantenha sua perspectiva: ser√° mais f√°cil lidar com desafios.

Fonte: Obesity Help e Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica


A reunião da equipe multidisciplinar desta quinta-feira, dia 21, foi comandada pelo fisioterapeuta da Clínica Mova, Ullian Bauer  Munari.  O profissional falou aos pacientes pré e pós-operados da cirurgia bariátrica sobre o treino funcional, que trabalha de forma  generalizada  com movimentos multiarticulares que estimulam todos os grupos musculares.

De acordo com Munari, o treino funcional passou a ser praticado por um p√ļblico que procura atividades mais din√Ęmicas, ¬†personalizadas ¬†e com uma durabilidade menor. Muitos movimentos realizados no treinamento funcional s√£o executados atrav√©s de ¬†atividades do dia a ¬†dia e com o peso do pr√≥prio corpo, como: sentar, agachar, levantar, girar, pular e correr.

O fisioterapeuta apresentou o circuito de exercícios do treinamento funcional oferecido pela Clínica Mova. As atividades são  realizadas  em cima de bases instáveis, como: colchão, bolas, cordas e pesos. Todas estas atividades desenvolvem a coordenação  motora, a r  resistência, a força, o equilíbrio, a agilidade, e, consequentemente, a funcionalidade.

A paciente operada h√° dois meses, Zenaide Bittencourt, √© adepta ao treinamento funcional. De acordo com a moradora de I√ßara, que, ¬†at√© ¬†o momento, perdeu 21 quilos, o desempenho nos exerc√≠cios f√≠sicos evolu√≠ram consideravelmente. ‚ÄúCom a perda destes quilos j√° ¬†me sinto ¬†muito melhor. Para fazer os exerc√≠cios j√° n√£o sinto dores pelo corpo como no tornozelo, por exemplo. √Č uma mudan√ßa r ¬†radical‚ÄĚ, frisa. ¬†Zenaide pesava 127 quilos e a meta √© chegar aos 70 quilos.

A Clínica Mova oferece reabilitação e treinamento funcional desde 2013. Os treinos têm duração de 30 minutos, sendo que a  modalidade não possui restrição de idade. Além do fisioterapeuta, participaram da reunião dessa quinta-feira o Dr. Leandro Avany Nunes; a nutricionista, Michele Biff; e a psicóloga, Ana Paula Gramacho.


O suor excessivo pode ser um transtorno para a vida social, atrapalhando o dia-a-dia e inclusive nos colocando em situa√ß√Ķes constrangedoras. O que talvez muita gente desconhe√ßa √© que existe um tratamento eficaz e seguro para resolver esse problema, que tem o nome de hiperidrose.

O tratamento pode ser cl√≠nico ou cir√ļrgico, sendo que esta possibilidade deve ser avaliada com o m√©dico. Chamado simpatectomia, o procedimento pode ser realizado na regi√£o tor√°xica ou lombar. Em alguns casos, o tratamento tamb√©m √© feito para pacientes com rubor facial, ligado ao mau funcionamento do nervo simp√°tico.

Origem

A doen√ßa costuma ser desencadeada por raz√Ķes emocionais, relacionadas ao estresse, ¬†levando o paciente a suar at√© cinco vezes mais do que o ¬†normal. O problema pode ser ¬† ¬†identificado atrav√©s da observa√ß√£o dos sintomas relacionados √† sudorese em √°reas ¬†localizadas como rosto, pesco√ßo, ¬†couro cabeludo, axilas, m√£os, n√°degas, virilhas e p√©s. Sua ¬†apari√ß√£o ocorre em momentos alternados, v√°rias vezes ao dia, independente da ¬†temperatura ambiente.

Por√©m, h√° casos heredit√°rios, como o de Daniela Fid√©lis, que optou pelo tratamento ap√≥s o ¬†nascimento de sua filha, ao perceber que ela tamb√©m ¬†nascera com hiperidrose. A secret√°ria conviveu com a situa√ß√£o muitos anos, tendo dificuldades para realizar atividades relacionadas ao contato ¬†manual. ‚ÄúHoje eu vivo uma nova realidade‚ÄĚ, garante Daniela.


Embora seja um diagn√≥stico comum, a retirada cir√ļrgica da ves√≠cula biliar gera muito receio por parte dos pacientes,¬†principalmente devido ao tempo de recupera√ß√£o e quanto ao surgimento de cicatrizes na regi√£o do abdome. Por√©m, com a utiliza√ß√£o da t√©cnica de videocirurgia, esse procedimento tornou-se ainda mais seguro, gerando apenas pequenas incis√Ķes de 0,5 cm, al√©m de dor operat√≥ria menor e tempo de recupera√ß√£o tr√™s vezes mais r√°pido. ‚ÄúEntre 10 a 15 dias, no m√°ximo, o paciente pode retomar suas atividades normalmente‚ÄĚ, explica o doutor Leandro Avany Nunes, especialista no procedimento.

O que é e como funciona

A ves√≠cula ou bexiga biliar √© uma esp√©cie de reservat√≥rio da bile (fluido produzido pelo f√≠gado e que atua na digest√£o, especialmente de gorduras). Sua estrutura alongada, em formato de p√™ra, fica situada na face inferior do f√≠gado (do lado direito). Formada por parede muscular e mucosa, a ves√≠cula biliar √© respons√°vel por receber a bile, absorvendo parte da √°gua dela e enviando a subst√Ęncia concentrada para o intestino delgado, onde ajudar√° no processo de digest√£o. A bile passa por canais como os ductos hep√°tico e c√≠stico, neste trajeto at√© o intestino.

A produ√ß√£o da bile no f√≠gado √© constante, sendo os canais biliares respons√°veis por acumular a subst√Ęncia nos intervalos das refei√ß√Ķes. Uma estrutura muscular denominada de esf√≠ncter de Oddi regula o envio da bile para a ves√≠cula biliar e para o intestino. Quando o organismo n√£o est√° recebendo alimenta√ß√£o, o esf√≠ncter fica fechado, contribuindo para que haja press√£o dentro dos canais biliares e para que a bile seja levada at√© a ves√≠cula biliar, ficando ali armazenada. Ap√≥s as refei√ß√Ķes, com a chegada do alimento ao duodeno, o esf√≠ncter de Oddi se abre, a ves√≠cula se contrai e esguicha bile para o intestino.

Saiba mais sobre a vesícula biliar

O que √©: √ďrg√£o presente no organis-mo humano. Em forma de p√™ra, armazena at√© 50 ml de bile, subst√Ęncia utilizada no sistema digestivo, n√£o sendo respons√°vel por sua produ√ß√£o. Mede entre 7 a 10 cm e tem uma apar√™ncia verde-escuro devido ao seu conte√ļdo (bile), n√£o ao seu tecido. √Č conectada ao f√≠gado e ao duodeno atrav√©s do trato biliar.

Doenças

A ves√≠cula biliar pode ser acometida de algumas doen√ßas. A maior ocorr√™ncia √© de lit√≠ase, mais conhecida como c√°lculos ou pedras, caracterizada pela forma√ß√£o de cristais de colesterol, c√°lcio, ou ambos, no interior da ves√≠cula. Estes c√°lculos podem obstruir o canal c√≠stico, provocando forte contra√ß√£o da parede muscular. Como resultado, o sintoma √© a c√≥lica biliar, permanecendo enquanto houver a obstru√ß√£o. Essa forma√ß√£o acontece de forma lenta e progressiva, aumentando em tamanho e n√ļmero.

A colecistite aguda é, geralmente, consequência da litíase. Quando o cálculo permanece no canal cístico, a bile não consegue passar, ficando represada e provocando a irritação da parede da vesícula. O ambiente fica propício ao crescimento de bactérias, desencadeando uma infecção no local. A colecistite sem presença de cálculos é denominada colecistite aguda alitiásica.

Embora de baixa incid√™ncia, a ves√≠cula biliar tamb√©m est√° sujeita √† ocorr√™ncia de c√Ęncer. A maioria relacionada √† presen√ßa de c√°lculos biliares, existentes h√° anos no organismo do paciente.


A equipe multidisciplinar da Clínica Mova realizou nessa quinta-feira, dia 16, mais uma reunião multidisciplinar com os pacientes pré e pós-operados.

O encontro foi conduzido pela psicanalista, Ana Paula Gramacho, que apresentou grupos de pacientes pós-operatório, como: os que demandam de atendimento psicológico (querem) e os que mesmo não procurando tornam-se sensíveis a oferta de escuta (efeitos da reunião, por exemplo).

Os outros grupos s√£o aqueles pacientes que n√£o apresentam demanda alguma e os que mesmo tendo demanda, tem dificuldade de subjetivar seu sofrimento, apresentando um radical esvaziamento de seu discurso.

Ana Paula refor√ßou a import√Ęncia do acompanhamento da equipe multidisciplinar em todo processo cir√ļrgico (antes e depois). Segundo a especialista, √© fundamental que o paciente esteja bem assistido neste processo. E tamb√©m √© essencial que o paciente se interesse e siga todas as orienta√ß√Ķes dos profissionais envolvidos para a conquista do objetivo maior: a perda de peso.

Operada h√° tr√™s anos e quatro meses, a paciente bari√°trica Sulamita Garcia Saturnino n√£o deixa de lado as reuni√Ķes multidisciplinares. ‚ÄúMesmo fazendo um tempo maior de cirurgia procuro vir as reuni√Ķes, pois aprendemos com toda equipe e tamb√©m com os outros pacientes‚ÄĚ, relata.

Sulamita pesava 117 quilos e atualmente est√° na casa dos 75 quilos, uma perda de 42 quilos. ‚ÄúMudou a vaidade, autoestima, disposi√ß√£o, humor. Posso dizer que existem suas Sulamitas, uma antes e outra depois da cirurgia‚ÄĚ, compara.


Ingredientes:

¬ĺ de x√≠cara de lentilhas verdes
2 colher de sopa de azeite de oliva
1 cebola roxa picada
2 dentes de alho picados
320 gramas de carne magra picada
¬Ĺ colher de ch√° de pimenta de caiena
1 litro de √°gua
3 cenouras médias cortadas em cubos
3 talos de aipo (sals√£o) picados
2 batatas (baroa/salsa) pequenas em cubos
Sal e pimenta a gosto
1 ramo de coentros picados de forma grossa
Sumo de lim√£o

Modo de preparo: ferva as lentilhas em uma panela com água por pelo menos dez minutos, escorra e reserve. Aqueça o azeite em uma frigideira e refogue a cebola, o alho e a carne, mexendo frequentemente até a cebola estar macia. Junte as especiarias, mexa até liberarem o aroma e depois junte as lentilhas e a água. Leve a levantar fervura e retire a espuma com uma escumadeira. Cubra a panela parcialmente e deixe cozinhar por uma hora até a carne estar tenra. Junte os vegetais e deixe cozinhar por mais 30 a 40 minutos. Tempere e junte o coentro e sumo de limão a gosto. Sirva de imediato.


Pacientes da Cl√≠nica Mova prestigiaram mais uma reuni√£o do grupo multidisciplinar de apoio, realizado nesta quinta-feira. Grupo acompanhou as orienta√ß√Ķes sobre alimenta√ß√£o ap√≥s a cirurgia bari√°trica, repassadas pela Nutricionista Michele Biff. Em sua apresenta√ß√£o, o Dr Leandro Avany Nunes destacou cuidados e alguns efeitos colaterais que acontecem ao longo da perda de peso, com queda de cabelos e enfraquecimento das unhas, reflexo da redu√ß√£o¬†de peso. Para evitar esses e outros efeitos, foi destacado a import√Ęncia do acompanhamento nutricional e m√©dico ao longo do processo de redu√ß√£o de peso. O encontro contou ainda com a presen√ßa do Dr Fabr√≠cio Justi Kal√ī, cirurgi√£o pl√°stico, Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Pl√°stica, que falou aos pacientes sobre a cirurgia reparadora p√≥s- operat√≥ria. O m√©dico destacou os tipos de procedimentos que s√£o realizados e respondeu a d√ļvidas dos pacientes, como as coberturas de planos de sa√ļde.


Ingredientes:

300 gramas de carne moída magra (patinho)
1 cenoura pequena ralada finamente
¬Ĺ cebola ralada ou picada bem pequena
3 colheres de sopa de farelo de aveia
1 colher de sopa de chia
Sal a gosto
Pimenta do reino a gosto
Noz moscada a gosto
Tempero verde a gosto

Modo de preparo:

Misturar bem todos os ingredientes. Deixar descansar num recipiente com tampa, na geladeira, por no m√≠nimo dez minutos. Formar os hamb√ļrgueres e frigir numa frigideira untada com azeite de oliva. Voc√™ tamb√©m pode assar em forno pr√©-aquecido 200 graus em uma assadeira se poss√≠vel com antiaderente por aproximadamente 20 minutos.


O m√©dico Leandro Avany Nunes participou do Programa Do Avesso, da R√°dio Som Maior, de Crici√ļma. Com a apresenta√ß√£o de Mano Dal Ponte e Pity B√ļrigo o programa teve como tema principal a cirurgia bari√°trica.

Confira o √°udio:

Programa Do Avesso


Pr√≥xima P√°gina »

desenvolvido por Cacto Publicidade
Rua Estevão Emílio de Souza, 108 (em frente ao Hospital Unimed) :: Próspera :: Criciúma/SC :: Tel. (48) 3439.4096